Dr. Rafael Casati

 

Um fóssil não é meramente um defunto enterrado.

Os restos mortais passam por processos muito diversos até serem finalmente sepultados. Muitos elementos biológicos se perdem nessa fase. Contudo, a depender das circunstâncias e das condições do meio, parte deste material escapa da destruição do tempo e acaba por ser incorporado às rochas sedimentares sob a forma de fósseis.

Os fósseis são o registro incontestável da presença da vida no planeta há bilhões de anos. Tratam-se dos restos e vestígios de seres que viveram em outras épocas e em outros ambientes; em outras Terras! Esse registro, contudo, é fragmentário e nem tudo que já viveu neste planeta, deixou seu registro.

As causas dessa “seleção mortal” são diversas. Desde o fato de que muitos organismos sequer possuem um esqueleto ou carapaça rígidos, à presença de organismos carniceiros e decompositores e de ambientes oxigenados ou com uma baixa taxa de sedimentação. Fatores como estes promovem tendenciamentos no registro fóssil.

Entretanto, quando se “escapa” de tais condições, restos e vestígios podem sofrer um ou mais processo de fossilização. A fossilização pode ser total, quando inclui tecidos moles, como pele e vísceras, ou parcial, quando somente as partes mais duras, como ossos, dentes, conchas e troncos, que se preservam. Permineralização, incrustação, incarbonização, recristalização, inclusão em âmbar, criopreservação são apenas alguns dos muitos processos de fossilização que conhecemos. Diferenciam-se pelo local onde preferencialmente ocorrem e o tipo de material orgânico envolvido.

A variedade de fósseis representa, portanto, não somente a vasta diversidade de formas de vida que já existiu no planeta, mas os muitos experimentos da natureza em salvaguardar seus restos mortais.

O estudo de como os fósseis se formam é chamado Tafonomia e existe como um ramo da Paleontologia desde 1940!

Quer saber mais sobre os processos de formação dos fósseis? Acesse hoje, dia 5 de julho às 19:30, no Canal do Grupo Fossilis no Youtube:

https://www.youtube.com/watch?v=NvmrKUEiqv8

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *